Cidadania Italiana – Famiglia Lunetta – Itália


Pessoal,

Como prometido no post Cidadania Italiana – Famiglia Lunetta – Brasil, vou detalhar o processo feito na Itália.

Antes de explicar porque escolhi fazer o processo com assessoria, gostaria de agradecer cada um que postou sua história nos grupos do Facebook, pois é uma base de informação muito importante, tanto as positivas quanto as negativas, podemos saber antes de chegar na Itália, por exemplo quais comunes estão com muitos processos e consequentemente demorando mais tempo, podemos saber se a empresa de assessoria prestou o serviço que foi contratado, fora que é possível tirar todas as dúvidas com as pessoas que já passaram por este processo! Chega de lenga, lenga, eu escolhi contratar uma empresa de assessoria, pois a Itália, é um pais que a burocracia é muito parecida com o Brasil, só por esse fato, já seria motivo suficiente para escolher fazer com assessor. Além disso, o assessor me fará a residência assim que eu chegar na Itália, fora isso existe outro problema eu não falo italiano fluente, outro ponto importante era que o tempo médio informado para concluir o processo era de dois meses, agora que foi devidamente explicado, eu não vou divulgar o nome da empresa que fez a minha assessoria neste post, porque vocês poderão avaliar se foi um bom serviço prestado ou não lendo este post até o final, se você tiver interesse em fazer o seu processo com uma indicação minha envie um e-mail para bruno@tbviagens.com.br, que terei o prazer de lhe apresentar uma empresa que faça este tipo de serviço, pois conheci diversas pessoas que estavam fazendo o processo com outros assessores.

Vamos lá, a primeira coisa a fazer é contratar uma agência de viagens para comprar as passagens aéreas e o seguro viagem, neste ponto a TBViagens foi a melhor opção, saí de São Paulo, fui para o Rio de Janeiro, Roma e por fim Veneza, neste ponto gostaria de deixar uma dica importante, ao chegar no aeroporto de Roma, lembre-se de verificar se o oficial de emigração carimbou com força o seu passaporte, pois este carimbo registra a data que você chegou na Itália e é um detalhe importante no seu processo de reconhecimento, no meu caso eu tive que voltar até o oficial e pedir educadamente para ele carimbar novamente, pois o número 1 do ano 2016 não tinha saído. Cheguei em uma sexta feira (01/10/2016) no aeroporto de Veneza, onde o assessor estava me aguardando, ele me levou até o endereço onde eu iria fixar residência, nesta sexta-feira foi apenas para chegar em casa desfazer a mala, comer alguma coisa, tomar um banho e descansar porque a viagem foi muito longa. No sábado uma pessoa da equipe de assessores me enviou um whatsapp com algumas coisas bacanas para fazer no final de semana, pois seria o primeiro domingo do mês e normalmente os museos são abertos para visitação com entrada franca, visto que só seria possível iniciar o processo de cidadania na segunda-feira, aproveitei as dicas e fui conhecer um museo que ficava a algumas quadras da minha residência, quero deixar claro que esta foi apenas uma cortesia feita pela empresa de assessoria, não era obrigação me indicar passeios, mesmo porque o objetivo é a solicitação da cidadania e não turismos. Mas também não poderia deixar de agradecer esta gentileza. Na segunda-feira foi o dia de iniciar o processo, o assessor veio até a minha residência e nós fomos de carro até o questura, mais próxima para fazer a codice fiscale, este documento ficou pronto em 15 minutos no máximo, com preenchimento do formulário, fila e atendimento. Na sequência já fomos ao comune mais próxima, para fazer carta de hospitalidade. Voltamos para casa para almoçar, na frente de casa tinha uma tabacaria e eu e o assessor aproveitamos para comprar a famosa marca de bolo que seria usada em outra parte do processo. No final do dia fui dar uma volta no bairro para conhecer um pouco da cultura local.

Neste novo dia (04/10/2016) acordamos muito cedo e fomos a questura, para ter certeza que estava tudo certo com a minha declaração de presença que era o carimbo no passaporte, o oficial informou que sim, o carimbo era válido e não seria necessário fazer a declaração de presença, ele ficou a disposição para explicar ao oficial da comune que não é necessário fazer a declaração de presença neste caso. Na sequência fomos ao comune levar os documentos e dar entrada no processo, ao chegar na comune o assesssor entregou a minha pasta com todos os documentos, preencheu mais um formulário e informou que eu cheguei por Roma, por isso não seria necessário fazer a declaração de presença, a oficial da comune não tinha essa informação, então ela disse que ligaria para a questura afim de confirmar esta informação, os meus documentos ficaram na comune para serem avaliados, lembrando que estes foram apostilado, traduzidos e conferidos várias vezes. O Brasil aderiu ao Convenção de Haia este ano (2016) portanto é um processo novo para os Brasileiros, porém não é uma novidade para os países membros (no caso a Itália) e a oficial não estava sabendo que o Brasil tinha aderido a convesão, ela ficou de verificar também. Após a entrega do formulário assinado, a oficial solicitou o último formulário para continuar com o processo de reconhecimento da cidadania, citando neste formulário uma lei de 2014 (ART. 5 D. LG. 47/2014 “Lotta all’occupazione abusiva di immobili”) onde é necessário a assinatura do proprietário do imóvel concedendo a permissão para que eu utilize a casa como minha residência, neste momento agradecemos a oficial do comune e informamos que no dia seguinte voltaríamos com o formulário assinado, o assessor ligou para a proprietária do imóvel, ela ficou de verificar com a comune se o documento que ela iria assinar não lhe causaria nenhum problema, só então assinaria o documento,  a proprietária se recusou a assinar o documento, com isso o meu assessor começou a procurar outras alternativas para que eu fizesse a minha residência, tínhamos algumas opções, as opções eram eu continuar na casa que eu estava e fazer a residência em outra casa, porém eu teria que ir todos os dias para este casa e aguardar o vigile, ou mudar de residência. Eu não tinha muitas alternativas visto que o tempo estava passando e eu precisa da residência para dar continuidade no meu processo, ok! Aceitei esta proposta do meu assessor, o famoso jeitinho Brasileiro na Itália, mas por algum motivo ele não conseguiu seguir com esta estratégia de me hospedar em uma casa e fazer a residência em outra, até resolver esta situação eu já estava na Itália por duas semanas e o meu processo parado, o meu assessor encontrou outra casa para eu fazer a minha residência, porém em outra cidade a 200 quilômetros de distância, o problema que eu teria que cancelar o meu pedido de residência e pegar os documentos na comune da primeira cidade e dar entrada na comune da nova residência, perfeito!

No dia seguinte que cheguei na nova cidade fomos direto para a comune e a proprietária do imóvel já estava na porta do comune nos aguardando para assinar o documento da minha residência,  foi neste momento que conheci uma pessoa maravilhosa uma ítalo-brasileira, que seria meu anjo da guarda na Itália, a Rosemary literalmente abriu as portas da Europa para mim, por isso agradeço muito a ela e a seu marido o Paolo. Ok! Não tinha a mínima ideia das condições do imóvel que ficaria, então foi meio que uma roleta russa! Mas neste momento eu estava topando ficar em qualquer lugar, em qualquer condições, pois a minha passagem de volta para o Brasil estava comprada e o meu tempo era curto, mas para minha surpresa o apartamento ficava atravessando a rua da comune, um apartamento muito grande, tinha aquecimento, TV, a cozinha era completa, dois banheiros um grande outro menor, o meu quarto era bem confortável, os móveis novos, resumindo fiquei muito bem instalado, o único porém era que não tinha internet, mas neste ponto consegui me virar com a internet do meu celular, inclusive foi a própria Rosemary que me levou para comprar o chip. Iniciei a minha espera pelo vigile, no apartamento eu conheci a senhora Virlene, ela também estava fazendo o processo de reconhecimento da cidadania italiana, uma pessoa maravilhosa e são essas pessoas que conhecemos durante o tempo que passamos na Itália que nos dão força para continuar, o vigile passou em um sábado, eu não estava esperando, pois o vigile passou para a senhora Virlene em um dia da semana, então nós achávamos que ele não passaria no Sábado, neste momento descobri que cada processo tem seu tempo! Não adiantava eu querer ter uma base de tempo, comparando com o processo dela, porque o meu processo seria diferente, na quarta-feira seguinte o assessor veio até meu apartamento, ele trouxe um e-mail impresso para me mostrar que ele informou a comune que eu estava com passagem comprada para o Brasil e a resposta do comune afirmando que faria o possível para concluir o processo antes do dia do meu retorno, ele me acompanhou até a comune para assinar o pedido de cidadania, feito isso iniciou a espera do retorno da Não Renuncia que na prática é um e-mail que a comune da sua residência na Itália envia para o consulado do Brasil, no meu caso era apenas para São Paulo e outro e-mail para a comune de Palermo, onde meu bisavô nasceu. Estas respostas podem demorar, no meu caso demorou semanas, com isso perdi o voo de volta para o Brasil, visto que as duas primeiras semanas foram perdidas procurando uma residência que eu deveria receber do assessor assim que chegasse na Itália, inclusive esse foi o principal motivo que me fez contratar um assessor, com este pequeno problema tive despesas extras de mais duas semanas na Itália e a compra de uma passagem de volta para o Brasil, para remarcar a passagem sairia mais caro do que comprar uma passagem nova, outro ponto que levei em consideração é que não sabia a data que poderia voltar para o Brasil, com os meus documentos prontos, então resolvi não remarcar a passagem e aguardar para comprar uma outra passagem apenas quando os documentos estiverem prontos.  No dia 16/12/2016 a minha certidão de nascimento e a minha certidão de casamento foram transcritas no comune, neste mesmo dia já fiz a minha carteira de identidade e solicitei uma via das certidões. Com os documentos em mão fomos a questura no dia 19/12/2016 fazer o pedido do passaporte, deixando o assessor como responsável para retirar o documento e me enviar pelo correio. Ok! processo concluído na Itália com frio de -4º “Che freddo”. Agora era o momento de comprar a passagem de volta para o Brasil e chegar antes do Natal para comemorar o mais novo reconhecido cidadão Italiano da família e matar a saudade da esposa. Como apoio TBViagens consegui uma passagem para o dia 19/12/2016 na parte da tarde mesmo, cheguei no Brasil dia 21/12/2016 e fomos direto para uma churrascaria comemorar.

Para quem leu até aqui! Parabéns! Você tem um grande potencial para conseguir a sua cidadania! leia as histórias de quem passou por isso, converse com as pessoas, busque informação! Faça a lição de casa! Aprenda com os erros das pessoas! E sempre faça a coisa certa, lembre-se o jeitinho Brasileiro não funciona fora do Brasil. A última dica: Experimente o Ciccioli, compre uma cafeteira Italiana, aproveite o tempo para aprender um pouco sobre a cultura Italiana.

Estamos a disposição para lhe ajudar entre em contato pelo e-mail tbviagens@tbviagens.com.br ou ligue para (11)2305-3530.

Deixe seu comentário!

Você precisa logarpara comentar.